Brasil

Vírus Zika é também transmitido sexualmente, confirma pesquisa pernambucana

A transmissão por via sexual do vírus Zika foi confirmada por pesquisa realizada pela Fiocruz Pernambuco, em colaboração com a Universidade Estadual do Colorado (CSU), dos Estados Unidos. Até então, era confirmada apenas a transmissão do vírus por meio da picada do Aedes aegypti.

O contágio pelo vírus é responsável pelo desenvolvimento da microcefalia e outras complicações neurológicas que, em conjunto, constituem a Síndrome Congênita do vírus Zika (SCZ). 

O estudo pernambucano foi o primeiro no Brasil a chegar a essa conclusão e o segundo a demonstrar que a transmissão sexual do vírus da Zika tem um papel muito mais importante na epidemia do que se estimava inicialmente. O primeiro foi realizado em Porto Rico, ano passado.

“A via sexual não parece ser unicamente responsável pelo contágio sustentado do Zika, mas, associada à transmissão pelo mosquito, pode contribuir significativamente para a disseminação eficiente do vírus”, explica a pesquisadora Tereza Magalhães (CSU e Fiocruz PE), que coordenou o projeto ao lado dos pesquisadores Ernesto Marques (Fiocruz PE e Universidade de Pittsburgh, EUA) e Brian Foy (CSU).

Realizada em Pernambuco, a pesquisa precisou separar a transmissão sexual daquela por meio de picada do mosquito. 

Outras investigações já haviam comprovado a existência dessa forma de transmissão em localidades sem a presença do mosquito vetor, o Aedes aegypti, porém sem indicar qual a sua relevância na epidemia. 

Para a análise, o estudo recrutou pacientes atendidos na UPA de Paulista, na Região Metropolitana do Recife, com sintomas sugestivos a dengue que já haviam participado de uma pesquisa sobre o diagnóstico da dengue entre 2015 e 2016. A partir desse conhecimento acumulado, foram convidados os participantes dessa pesquisa anterior (denominados index), seus parceiros sexuais e até mais dois moradores da mesma residência, formando um corte de 425 pessoas.

A hipótese de que a exposição ao Zika seria maior entre os parceiros sexuais foi colocada em prova com a coleta de amostras de sangue, testes sorológicos e questionários para todo o grupo em análise. 

Os resultados apontaram que, no caso do Zika, o risco de ter sido exposto ao vírus foi significativamente maior para o parceiro sexual do que para o morador no mesmo espaço que não era parceiro sexual.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *