Política

Bolsonaro recua para 54% sua rejeição segundo pesquisa

Pesquisa PoderData realizada nesta semana mostra que a reprovação ao governo Bolsonaro recuou 5 pontos percentuais em 15 dias, compensando a alta da pesquisa anterior. Agora, a atual gestão palaciana é aprovada por 38%, e desaprovada por 54% da população brasileira. Outros 8% não souberam responder.

Com o resultado, a gestão de Bolsonaro deixa seu patamar mais alto de desaprovação, de 59% ­– registrado no final de maio e, antes, no fim de março. Esse período foi o pior para o Planalto, e parece ter ficado no passado.

De três meses para cá, a curva de aprovação governo federal também indica uma tendência de alta: estava em 32% e, nesse tempo, avançou 6 pontos. Registrou saldo positivo, acumulando uma série de variações quinzenais dentro da margem de erro da pesquisa, de 2 pontos percentuais.

Já quando se trata da avaliação pessoal do presidente da República, os números tiveram variações tímidas em 15 dias, desde a última rodada do PoderData. A tendência, no entanto, é positiva para o Planalto, com leve recuperação na taxa de aprovação.

Agora, 52% dizem rejeitar o desempenho pessoal de Bolsonaro, e 30% afirmam que seu trabalho é ótimo ou bom. Os que o consideram regular são 17%, ante 13% na pesquisa anterior.

Esta pesquisa foi realizada no período de 7 a 9 de junho de 2021 pelo PoderData, a divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Foram 2.500 entrevistas em 522 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *